sábado, 1 de setembro de 2012

Os Jogos da Fome: livro vs filme

Depois de ter devorado a trilogia d'Os Jogos da Fome, decidi que iria ver o filme. A caracterização espacial e física das personagens combina um certo estilo medieval com um 'super-pós-modernismo'. Isto, segundo a minha interpretação do livro, segundo aquilo que eu imaginava na minha cabeça ao ler as descrições. Por isso, a minha curiosidade para ver a interpretação daquelas palavras por outrem era enorme. E, foi... uma desilusão. A mensagem do livro está lá, no filme. A tal relação entre as visões distintas, dos distritos pobres com o Capitólio rico, está bem feita, é clara, e é interessante. Mas, vamos por partes. 

A essência do livro, como já referi, aquele ideia de sermos peões nos jogos do capitalismo, de vivermos num reality show, está lá. Não poderia faltar. A distinção entre os pobres e ricos, entre o tradicional e o pouco convencional, as diferenças entre os distritos e o Capitólio também estão lá. Contudo, "cheirou-me" a pouco. Ou seja, no meu ver, o realizador poderia ter aprofundado e analisado mais. Todo o filme parece ter sido feito à velocidade da luz, com cortes enormes e a introdução da visão do Presidente Snow - a outra parte, tendo em conta que os livros apenas se baseiam na visão da Katniss. 
Eu percebo que seja difícil para um realizador condensar toda a informação de um livro numa película de duas horas, mas para isso penso que se poderiam fazer dois filmes, ou uma série, tal como aconteceu com "A Guerra dos Tronos". 

Os Jogos da Fome possuem informação suficiente para uma série de episódios.
Isto porque, apesar de se ter perdido muito na trama, perdeu-se essencialmente nas personagens. Ninguém chega a entender muito bem a Katniss. Ok, é uma miúda que toma o lugar da irmãzinha nos jogos e que faz de tudo para ganha-los. Mas... é só isso? E as suas reflexões e pensamentos? Os seu dilemas?
Depois temos o Peeta. Nos livros sabemos que ele é altamente altruísta e que fará de tudo para defender a Katniss, mas nunca nos pareceu um atrasado. No filme parece um miudinho que não se consegue defender, que precisa de ficar debaixo das saias da Katniss. É errado. E o Gale? Ninguém sabe o que a Katniss pensa sobre ele. E o pior de tudo, o Haymitch. Ele mal existe no filme quando na verdade é uma das personagens mais importantes. O seu papel é crucial. O mesmo se passa com o Cinna.

Como a história foi adaptada à velocidade da luz, pelo meio foram introduzidas analepses. Cenas rápidas onde voltamos ao passado, como forma de nos serem explicados certos pormenores. E temos também a personagem de Caesar Flickerman que nos faz uns pequenos apartes. Mas fora isso, os jogos caem um pouco ali de para-quedas. E, porque é que a Katniss inicia uma revolução? Ninguém entende muito bem.
Em suma, muito se perdeu. A história foi tão exprimida que resultou num filme pela rama. Por isso, para aqueles que apenas viram o filme, recomendo a leitura dos livros. São mil vezes mais intensos, profundos e inquietantes que o filme. 




2 comentários: