domingo, 9 de setembro de 2012

A Mãe, de Máximo Gorki

Resolvi fazer um esforço, meter de lado a preguiça, e comecei a ler um novo livro. Desta feita, o escolhido foi "A Mãe" do russo Máximo Gorki. A história situa-se no início do século XX e retrata a realidade do proletariado, dos operários fabris da época, e a sua luta pela emancipação. Como, também, os resultados negativos da sua luta: rusgas, prisões, julgamentos. (Aqui têm mais informações.)
Segundo o que li, aqui pela Internet - eu gosto sempre de me informar antes de começar um livro -, este é o resultado das próprias vivências do autor, que era marxista e socialista e lutou pelos direitos dos operários.
O livro chama-se "A Mãe" pois esta possuí um papel primordial na obra. É através da sua personagem que muitas ideias fulcrais da obra são passadas. Como, por exemplo, a resistência das pessoas a novas ideologias, o medo, a ignorância, as crenças enraizadas e, posteriormente, a luta interior e pessoal pela compreensão de tudo isto e a procura da verdade. 
Até ao momento, acho o livro muito interessante. Podem ser retiradas várias conclusões, faz-nos pensar, e é uma história com muita realidade por detrás, o que é óptimo. 


Sem comentários:

Enviar um comentário